Além da mídia social

Dicas para começar o seu próprio curso on-line

No texto “Por que sou viciada em cursos on-line. E você também“, compartilhei minha experiência como aluna de cursos on-line. Busquei diminuir o preconceito que muitos têm sobre o formato, alguns por experiências malsucedidas, outros por desconhecimento.

Neste artigo mudo de lado. De “aluna/consumidora de conteúdo” passo para a cadeira de “professora/produtora de conteúdo”. Trabalho com desenvolvimento e gestão de projetos educacionais há mais de 10 anos, boa parte deles com educação a distância (para saber mais, conheça meu Linkedin) e compartilho aqui meu aprendizado e os primeiros passos para produção de um bom curso on-line.

Por que criar seu próprio curso on-line?

A quantidade de respostas para essa pergunta é imensa. Deixarei de lado o universo de empresas e instituições e listo aqui as duas principais justificativas que eu daria para uma pessoa física, isto é, para você.

1 – Vincular seu nome a temas e conteúdos

Em uma era em que uma busca do Google define seu perfil, vincular seu nome a temas e conteúdos especializados é uma das principais estratégias para destacar-se no emaranhado mercado das escolhas acadêmicas e profissionais.

Dizem que “o melhor lugar para se esconder um corpo é na segunda página do Google” porque ninguém procura por lá. Produzir conteúdo, como um curso, utilizando boas regras de indexação, levará seu nome para a famosa “1ª página”, passando você a ser uma referência no tema. Depois disso, aproveite as portas que serão abertas.

2 – Gerar recursos na era do conhecimento

E porque não fazer da produção de cursos um negócio, uma fonte de renda? Defendo que é importante saber que bons produtores de conteúdo e de formação a distância investem tempo e dinheiro estudando e realizando pesquisas para proporem um curso com conteúdo de qualidade e/ou inédito, seja no formato, seja no tema, seja na metodologia.

Para cursos de qualidade há compradores. Pense nisso.

Planejamento é o primeiro passo

Assim como em uma aula ou um projeto, para você produzir um curso on-line o primeiro passo é o planejamento. É preciso que você tenha claro de onde está partindo e aonde quer chegar no que se refere a “o que” você está oferecendo ao seu aluno, ou melhor, com quem você quer falar e quem está interessado no que você tem a dizer.

1 – Defina os objetivos

Esta é a principal parte do planejamento e para começar, sempre relembro a definição de “curso” do dicionário:

Deslocamento no espaço; caminho, rota, percurso.

Caminho percorrido; trajetória.

Tenha essa definição em mente quando for escrever seus objetivos: para aonde você quer levar seus alunos? Quais recursos cognitivos (saberes, capacidades, informações etc) o seu curso buscará desenvolver?

Nesta fase, recomendo leituras sobre desenvolvimento de competências. Considero o material produzido pela Universidade Sebrae uma ótima referência.

2 – Descreva o perfil do público-alvo

Tenha clareza a quem se destina o conteúdo que você está sistematizando. Faça pesquisas sobre o perfil, o que eles estão buscando e porque têm interesse no seu conteúdo.

Após listar seu público-alvo, recomendo voltar aos objetivos e verificar se realmente estão alinhados. Nesse exercício você começa a elaborar o principal argumento de venda e engajamento de alunos: por que o público-alvo vai se interessar pelo curso?

3 – Tenha clareza sobre os resultados esperados

Mesmo se seu curso for gratuito, há um investimento importante por parte do aluno: o tempo. Dessa forma, você precisa convencê-lo que realmente vale a pena dedicar suas horas (e, às vezes dinheiro). Deixe claro os resultados e benefícios que seu itinerário oferece. Quais as competências os alunos desenvolvem no curso? Ao fim do curso, o que estará diferente?

4 – Detalhe o programa do conteúdo

Descreva todas as aulas que compõe o seu programa e os temas que compõem as aulas. Seja objetivo. Nessa sessão recomendo o uso de bullets para facilitar a leitura.

5 – Construa uma boa metodologia pensando no seu público-alvo

metodologiaComo será a experiência do aluno? Presencial, a distância, híbrido?

Que tipo de recursos estarão disponíveis? Videoaulas, links, artigos ou livros disponibilizados na internet? Será composto apenas de podcast?

Será mediado por uma tutoria ou autoinstrucional?

Quando desenhar a metodologia do curso é preciso que se considere os itens construídos anteriormente. Pense nos objetivos, no público-alvo, nos resultados esperados e no conteúdo que você já tem pronto e o que irá produzir.

A metodologia é resultado da costura de todos esses elementos. Lembre-se que tudo isso será disponibilizado por meio de uma plataforma, considere as potencialidades e limitações da plataforma no desenho da metodologia.

Nesta sessão defina se haverá algum sistema de avaliação. Será quizz? Envio de trabalhos?

Essa regra tem que ficar claro para seu aluno, assim como a carga-horária. Quanto tempo o aluno precisa dedicar para finalizar o curso? Considere vídeo e materiais complementares, mas deixe claro o quanto cada categoria tem de hora/aula.

Se houver certificação, defina os critérios. Podem ser: acertos em quizz, envio de trabalho final, navegação em aula.

6 – Escolha um canal de contato com o aluno

Esse é um diferencial importante para um curso on-line.canais_digitais_contato

De que forma você pode comunicar-se com o seu aluno? Minha experiência indica que não há um grande volume de interações, mas ter o canal é importante. Você pode fornecer um número de whatsApp específico para este atendimento, optar pela gestão de um fórum na plataforma, fornecer um e-mail, marcar encontros ao vivo (hangout) ou outra estratégia mais adequada para sua dinâmica profissional.

7 – Atualize seu currículo

Valorize sua experiência profissional e acadêmica, além de projetos que atuou dentro do tema do seu curso. Lembre-se de utilizar as palavras-chave adequadas.

 

Com estas informações sistematizadas, você criou o documento de planejamento do seu curso, documento base para todos as fases seguintes de produção.

O próximo passo é planejar cada aula ou bloco de conteúdo, que vou detalhar no próximo artigo.

Ficou com dúvidas sobre como escrever cada item?  Conheça um exemplo no curso Usando Facebook como ferramenta de pesquisa.

Maíra Moraes

Maíra Moraes

Flipboard

Doutoranda em Comunicação e Sociedade na Universidade de Brasília (UnB), pesquisa as relações de poder implicadas no processo de produção de notícias e como as realidades são construídas por meio de narrativas e práticas dominantes. É gerente de projetos certificada PMP®, especializando-se na implementação de metodologias híbridas (presencial e a distância) de educação em redes públicas estaduais e municipais.

leia mais

Mais artigos do autor:

lousa Leia mais

25 de Março de 2015

Maíra Moraes

Quando um sistema educacional não valoriza o conceito da compreensão humana, criamos um mercado publicitário com falta de bom senso.

Banco de dados do Facebook Leia mais

05 de dezembro de 2017

Maíra Moraes

A metodologia foi utilizada pela primeira vez por Marcelo Vitorino nas eleições 2016 para entender e identificar eleitores com base em curtidas no Facebook.

Artigos Relacionados:

A ideia do aplicativo Sarahah é que as críticas e tenham impacto positivo Leia mais

10 de agosto de 2017

Ana Eliza Oliveira

Febre do momento ou não, o fato é que nada impediu que o Sarahah se tornasse o aplicativo de mensagens mais baixado no Brasil em menos de uma semana.

comunicacao política Leia mais

09 de Maio de 2017

Marcelo Vitorino

A internet levou é ambiente fértil para disseminação de conteúdo, tanto propositivos quanto depreciativos. Como os políticos podem planejar suas ações?