Além da mídia social

Marketing, política e a Síndrome de Vampeta

Durante sua curta passagem pelo Flamengo no ano de 2001 o jogador Vampeta – que à ocasião estava com os salários atrasados – soltou a seguinte pérola referindo-se aos dirigentes do rubro-negro: “eles fingem que me pagam e eu finjo que jogo”.
Reli esta frase antológica um dia desses e imediatamente me veio à cabeça a analogia: será que não estamos fazendo a mesma coisa no marketing político, especificamente no digital?!
A gente (agências/consultores/assessores) finge que dá resultado e nossos clientes (políticos/órgãos públicos) fingem que estão gostando?!

Não é fácil fazer um mea culpa, admitir erros, reconhecer que poderia ir além. Ainda mais num segmento povoado por marqueteiros e consultores, pródigo em egos inflados e autoestima no espaço,

O debate que proponho é: não teria chegado a hora de baixarmos um pouco a nossa bola e fazermos uma grande reflexão sobre o nosso trabalho digital e os resultados que estamos oferecendo (ou não) para nosso clientes e assessorados?

Não tenho a pretensão de generalizar nem falar por todo o mercado.
Estou embasado apenas em minhas experiências profissionais e no universo no qual atuo.
Tenho estudado o tema, viajado pelo Brasil conversando com profissionais que atuam na área e observado de perto o mercado da capital federal, reduto dos políticos mais relevantes do país.
Minha impressão é que as agências digitais estão com receio de perder seus clientes e os assessores seus empregos.
E, assim, cria-se um círculo vicioso: por ser mais fácil e mais seguro ficar na zona de conforto, perde-se a oportunidade de catequizar quem realmente importa: os políticos. Num português bem claro: eles precisam entender de vez o que a gente faz.
Para que o nosso mercado de marketing político digital amadureça de vez é fundamental que enfrentemos nossos clientes, no bom sentido.
Eles precisam compreender como funciona o nosso trabalho para que possam nos cobrar as métricas e os resultados que farão a diferença no que importa para eles: conquistar os corações e mentes do seu público-alvo: os cidadãos/eleitores.
Já estamos virando a primeira metade de 2017 e ainda vivemos apegados às métricas da vaidade – afinal o que os nossos clientes/assessorados querem são likes no Facebook, certo?!  A cultura das curtidas continua impregnada em nós.

Acho que estamos errando em vários pontos: continuamos fazendo marketing de massa numa plataforma que possibilita ampla segmentação de conteúdo; nosso foco continua nas redes sociais, desprezando os canais próprios; apostamos todas as fichas no conteúdo orgânico ignorando que o Facebook virou uma mídia e requer investimentos cada vez maiores em ads e performance; não conseguimos mobilizar militantes nem tampouco os embaixadores e micro-influenciadores de nossos assessorados; o Google continua sendo um coadjuvante de luxo em nossas estratégias digitais; não conseguimos reagir nem prevenir crises de imagem; nosso conteúdo não é nativo; captar leads e montar mailings é tarefa chata, então deixamos pra perto da eleição e estamos longe de analisar dados e criar narrativas e posicionamentos.

A lista é longa e não caberia neste artigo-desabafo.
É claro que há honrosas exceções. Tem muitos profissionais trabalhando direito, pensando fora da caixa e oferecendo uma presença digital plena a seus clientes.
Mas, na média, impera a mediocridade, o “mais do mesmo”.
No digital político não existe receita pronta. A gente só aprende arriscando, errando, acertando.
Mas, para acertar, é preciso experimentar, ir além das expectativas e do óbvio.
Embora seja uma “disciplina” tão recente, o marketing político digital já precisa ser reinventado.
Para o bem do nosso mercado e dos nossos clientes deixemos o Vampeta para o futebol.
No marketing político não há espaço para fingimento.
Chegou a hora de oferecermos mais que curtidas e sim uma presença digital ampla, profissional e de resultados.

Fred Perillo

Fred Perillo

Fred Perillo é jornalista, consultor, palestrante e estrategista digital. Atua com marketing político e comunicação digital. Larga experiência em coordenação da área de marketing digital em campanhas eleitorais.

leia mais

Mais artigos do autor:

Leia mais

20 de janeiro de 2017

Fred Perillo

É preciso repensar o mercado de marketing político digital. As agências estão oferecendo aos seus clientes políticos métricas e resultados positivos?

comunicação e marketing digital Leia mais

24 de abril de 2017

Fred Perillo

Com a experiência e resultados nas últimas eleições nacionais e internacionais, a internet é coadjuvante ou já se tornou protagonista no processo eleitoral?

Artigos Relacionados:

comunicacao política Leia mais

09 de maio de 2017

Marcelo Vitorino

A internet levou é ambiente fértil para disseminação de conteúdo, tanto propositivos quanto depreciativos. Como os políticos podem planejar suas ações?

os melhores plugins para wordpress Leia mais

29 de abril de 2017

Marcelo Vitorino

Separei todos os plugins que uso em meus sites em Wordpress e que melhoram a usabilidade, a produtividade, a relação com o Google e com as redes sociais.