Além da mídia social

Quando só nos resta a Arte no virtual

Sou frequentadora assídua de museus, onde quer que eu esteja, eles estão no topo da lista de programas a serem feitos. Para mim, visitar um museu é como começar uma viagem e mantenho uma relação existencial com este movimento, no sentido de Michel Onfray. “A viagem, de fato, é uma ocasião para ampliar os cinco sentidos: sentir e ouvir mais vivamente, olhar e ver com mais intensidade, degustar ou tocar com mais atenção – o corpo abalado, tenso e disposto a novas experiências, registra mais dados que de costume”.

A necessidade de vivenciar este furacão de sensações presenciais é um dos motivo pelos quais nunca aceitei com grande empolgação os museus virtuais e seus tours on line. “Nada se compara com a excitação e frustração de encarar, face a face a Guernica e Monalisa”, pensava eu.

Mas, algumas notícias das últimas semanas me levaram a rever meu ponto de vista. Do Estado Islâmico destruindo estátuas milenares ao anúncio de fechamento de pelo menos dois grandes museus brasileiros, fui levada a acreditar que o mundo real está se dissolvendo e os museus virtuais, páginas e tours online, tornaram-se uma via – muitas vezes a única – para manter e conservar o registro da história da humanidade e ampliar seu acesso, ou melhor, proteger nossa memória de nós mesmos.

 

Destruindo nossa história

Dias depois de mergulhar na destruição de peças pelo Estado Islâmico, li sobre o Project Mosul que está reunindo imagens das peças destruídas para criar versões digitais em 3D. Seu objetivo é montar um museu virtual para relembrar as relíquias destruídas. Isto é, peças que a partir de agora só virtualmente teremos acesso. Há poucos dias, a Unesco já sinalizou a ameaça do tesouro arqueológico de Palmira, fundada no segundo milênio antes de Cristo com vestígios do período Neolítico, também invadida pelo Estado Islâmico.

Claro que o Estado Islâmico não é o único algoz que impulsiona a destruição da arte no mundo. Má conservação, corrupção e desvio de recursos, guerras, terremotos, enchentes, desvios de rios, construção de usinas e rodovias, inúmeros são os fatores que dissolveram e dissolvem a história da humanidade. Hoje, muito do que somos, acessamos apenas virtualmente: vídeos, fotos e textos.

Fechando Museus

No Brasil, o Instituto Brasileiro de Museus mantém um Cadastro Nacional de Museus em que podemos encontrar suas localidades, mas não há dados que mostrem abertura e/ou fechamento destes locais.

Mapa de Museus no Brasil

Mapa de Museus no Brasil

 

Quando uma porta fecha-se, um caminho para continuarmos tendo acesso à sua história é por meio de registros armazenados virtualmente, mas nem sempre este caminho existe. Em agosto de 2013, o Museu Paulista, mais conhecido como Museu do Ipiranga fechou suas portas. Neste caso, com data marcada para sua reabertura. Mas, até o ano de 2.022, a não ser que o comprometimento com a cultura mude, seu acervo e biblioteca estão inacessíveis.

Seria diferente se tivéssemos uma estrutura digital.

Museu do Ipiranga fechado e sem acesso ao acervo.

Museu do Ipiranga fechado e sem acesso ao acervo.

 

Democratização do conhecimento

Viajar é caro e, mesmo viajando, muitas vezes pagar as taxas nos museus torna-se uma pequena fortuna.

Os museus virtuais mudam este cenário. National Portrait Gallery, The British Museum, Louvre e inúmeros outros nos permitem entrar em seus corredores e conhecer seu acervo sem sair de casa.

 

Tour virtual do British Museum

Tour virtual do British Museum

Complementaridade da obra

A organização das informações em um museu virtual permite acessarmos as histórias por trás de uma obra, a história de vida de um pintor, o momento político, o movimento artístico. É a possibilidade de criarmos nosso próprio itinerário e aprofundarmos a viagem, complementando nossa visita presencial ou nos mantendo virtualmente.

 

Novas experiências

O estar presente, de corpo e alma, em um museu é, para mim, a melhor experiência de contato com arte, mas não o único. A partir de agora, minhas visitas aos museus serão precedidas por um tour virtual, continuando a experimentar o estranhamento de Chklovski: a arte apresentando as coisas numa nova e estranha forma, desfamiliarizando o conhecido.

 

Maíra Moraes

Maíra Moraes

Flipboard

Doutoranda em Comunicação e Sociedade na Universidade de Brasília (UnB), pesquisa as relações de poder implicadas no processo de produção de notícias e como as realidades são construídas por meio de narrativas e práticas dominantes. É gerente de projetos certificada PMP®, especializando-se na implementação de metodologias híbridas (presencial e a distância) de educação em redes públicas estaduais e municipais.

leia mais

Mais artigos do autor:

HumanizaRedes Leia mais

10 de abril de 2015

Maíra Moraes

Precisamos sim, falar de humanização no mundo e as redes sociais, ao meu ver, tornaram-se mais do que ferramentas. #HumanizaRedes

Rethink Business - Empresas não funcionam sem pessoas e elas estão sempre mudando - Capa Leia mais

23 de julho de 2015

Maíra Moraes

Baixe gratuitamente o e-book Rethink Business, conteúdo que reúne textos de 15 autores sobre Crowdsourcing, Colaboração e CoCriação e pesquisa sobre o tema

Artigos Relacionados:

comunicacao política Leia mais

09 de maio de 2017

Marcelo Vitorino

A internet levou é ambiente fértil para disseminação de conteúdo, tanto propositivos quanto depreciativos. Como os políticos podem planejar suas ações?

os melhores plugins para wordpress Leia mais

29 de abril de 2017

Marcelo Vitorino

Separei todos os plugins que uso em meus sites em Wordpress e que melhoram a usabilidade, a produtividade, a relação com o Google e com as redes sociais.