Além da mídia social

E quanto custa essa tal de internet e o marketing de conteúdo?

Com o passar dos anos tive a oportunidade de me deparar com quase toda sorte de consultas sobre como utilizar a internet para fazer negócios. A internet, se bem aproveitada, pode dar um belo incremental nos ganhos de uma empresa. Contudo, como é uma questão de investimento, raramente um empresário tem a visão dos custos e com isso acaba fazendo bobagem na hora de investir.

O mito da página no Facebook

Quando falamos em marketing de conteúdo (content marketing) na internet, uma das piores ideias que alguém pode ter é concentrar todos os seus esforços em fanpages. Acredite, há “responsáveis” pelo marketing de empresas de todos os portes que cometem esse erro.

A guerra estúpida pelo aumento de “likes” faz vítimas frequentemente. Todo santo dia um desses gerentes ou diretores resolve que o concorrente é melhor porque investiu um bom dinheiro em anúncios no Facebook e destina investimentos que deveriam ser aplicados na produção de um bom conteúdo para uma conta de publicidade.

Esse negócio de ter um milhão de amigos não funcionou nem na música “Eu quero apenas”, do Roberto Carlos. O resultado é sofrível. Raramente uma página anabolizada com anúncios consegue um bom índice de engajamento. Geralmente uma dessas páginas com cerca de um milhão de fãs não consegue mais do que 500 compartilhamentos em uma publicação.

Muito provavelmente, se houvesse um trabalho apenas com os funcionários dessa empresa, o número seria muito maior. Mas isso é bobagem, bom mesmo, na cabeça de um gestor é mostrar que tem mais fãs do que o coleguinha. Voltamos ao primário!

Um ponto muito importante no marketing de conteúdo é uma coisa que chamo de “encontrabilidade”. Eu sei, esse termo não existe, eu criei. Traduzindo: qual a chance de determinado conteúdo ser encontrado por alguém que está procurando por ele?

O mecanismo de busca do Facebook é pífio, a indexação nos mecanismos de busca inexiste. Se levarmos isso em consideração, utilizar a rede social para divulgar ações que não estejam ancoradas em outro lugar é como atirar pedras em um lago para ver as ondas que se formam. Após o processo de compartilhamento dos fãs, o conteúdo praticamente desaparece.

Diante do exposto, faz algum sentido investir em conteúdo baseando sua origem no Facebook? Qualquer estagiário de marketing sabe que não! Mas e então, o que fazer? A resposta é simples. Utilize um blog para publicar o conteúdo e dissemine através do Facebook, Google Plus e Twitter, sempre adaptando a linguagem para o canal.

Ok, já entendi, mas e “quanto custa o marketing de conteúdo para o meu negócio”?

Essa pergunta não é muito simples de ser respondida. Mas vamos ao trabalho que produzir e disseminar conteúdo dá e depois aos custos envolvidos.

Quanto custa uma publicação?

Um texto minimamente consistente para internet deve ter entre 500 e 1000 caracteres, utilizar palavras procuradas pelas pessoas em mecanismos de busca, estar relacionado com outras publicações, mostrar um bom domínio da língua portuguesa e possuir informações relevantes. Temos nesse processo:

Tarefa Tempo (em minutos)
Pesquisa de keywords (palavras buscadas)

15

Pesquisa de tema (outros conteúdos relacionados)

30

Cursos Marketing Político na ESPM

Redação

30

Adaptação de SEO (políticas para mecanismos de busca)

10

Desenvolvimento visual (fotos ou gráficos)

60

Revisão

15

Adaptação para canais (blog, Facebook, Google Plus e Twitter)

30

Aprovação

10

Relatório (tirar prints e catalogar)

5

Total

205

Sim, produzir e disseminar um conteúdo toma 205 minutos, quase 3h30 de um produtor de conteúdo. Vamos simplificar e utilizar a base de 3h para a tarefa.

O preço dos salários varia muito no Brasil. Em São Paulo, um produtor de conteúdo mediano recebe cerce de R$ 2.500,00. Com os impostos, décimo terceiro e férias, o custo chega a ser o dobro para o empregador. Os R$ 5.000,00 divididos por uma jornada de 176 horas mensais dão R$ 28,40 por hora.  Chegamos então a R$ 85,20 por um bom conteúdo.

Agora, como todo mundo sabe, não existe almoço grátis. O preço cobrado por uma agência é uma composição de custos, impostos, investimentos e lucro. Arredondei alguns percentuais para facilitar a compreensão, acompanhe o raciocínio:

Custo da mão de obra

85,20

Despesas administrativas (15%)

12,78

Fundo de reserva/investimentos (10%)

8,52

Markup (32%)

34,08

Impostos (20%)

28,12

Total

168,70

Lucro líquido

20%

Pois é, para um total de R$ 168,70 por texto produzido, sobra a incrível quantia de R$ 34,08 para a agência. Note que não estou falando sobre um texto básico de Facebook, o custo aqui é para algo que valerá a pena para o cliente.

Qual o volume de conteúdo meu negócio precisa?

Chegamos então a questão da quantidade de publicações que uma empresa ou marca deve ter. Segundo diversas pesquisas realizadas, é melhor ter um bom conteúdo por dia do que ficar publicando quatro ou cinco conteúdos superficiais.

O mínimo que recomendo para uma presença corporativa são três conteúdos semanais, o que dá doze conteúdos mensais. Se um conteúdo custa R$ 168,70, doze custarão R$ 2.024,40.

Caso o empreendedor queira um conteúdo por dia útil, a conta sobe para R$ 3.711,40 mensais.

Tempos atrás escrevi um artigo onde comparei os custos de produção de conteúdo com outros meios.

Conclusão: o bom nunca é barato e o barato costuma sair caro

Noto que há um grande número de agências ofertando “gestão de mídias sociais” por valores irrisórios. O que me leva a crer que essas empresas não pagam impostos ou contratam mão de obra muito barata.

Não considerei como custo a tarefa de planejamento editorial e nem monitoramento, me foquei apenas na simples produção de conteúdo, coisa que cabe apenas para micro e pequenas empresas. As médias já podem pensar em outra ordem de investimento, bem como, utilizar profissionais melhor remunerados.

Surpreende-me ver como muitas empresas grandes se apequenam quando se fala em investimentos em uma mídia segmentada como a internet. Para estas fica um recado: da próxima vez que um adulto lhe oferecer um pirulito, pense em como ele foi fabricado, quais as intenções de quem fez a oferta e se você ainda gosta de pirulito. Pode ser que seu tempo de brincar com os outros pequenos tenha acabado.

Até mais!

Marcelo Vitorino

Marcelo Vitorino

Flipboard

Professor de comunicação e marketing digital no Centro de Inovação e Criatividade na ESPM, sócio da Presença Online e na Vitorino e Mendonça, consultoria de marketing político. Ministra aulas e palestras e trabalha como consultor de comunicação e marketing digital e gestão imagem/crise para empresas, instituições governamentais e entidades de terceiro setor.

leia mais
  • Meu nome é Antônio P. H. Mendes, sou Designer Gráfico (formado pela ESDI) e Consultor de Marketing (com MBA pela FGV), trabalho há mais de 30 anos nesse mercado. Essa matéria vem exatamente de encontro ao que penso. Quando se trata de comunicação eficaz, seja ela Online ou Off-line, nada substitui o talento, o know-how e o profissionalismo de quem faz. Isso tem um custo e NÃO É BARATO! É como digo claramente aos meus clientes: Publicidade (ou Ações de Marketing), faz QUEM PODE e QUEM PRECISA! Se você precisa, mas não pode, NÂO FAÇA! Se você pode, mas não precisa, também NÃO FAÇA! Assim, não engano ninguém com estorinhas de Bom, Bonito e Barato!

Mais artigos do autor:

Um jeito diferente de fazer campanhas políticas na internet Leia mais

05 de junho de 2012

Marcelo Vitorino

Promover engajamento através de ações de comunicação e relacionamento é uma forma de fazer campanhas políticas digitais tirar o máximo da internet

viral Leia mais

13 de junho de 2013

Marcelo Vitorino

Até que ponto vale a pena investir em um marketing viral na internet para ganhar audiência? Nem sempre sucesso no viral quer dizer eficiência para a marca.

Artigos Relacionados:

Crivella discursa em carro de som durante campanha eleitoral para a prefeitura do Rio de Janeiro Leia mais

01 de março de 2017

Marcelo Vitorino

O marketing político digital está evoluindo. Veja como Crivella usou a comunicação digital e as redes sociais para vencer a eleição do Rio de Janeiro.

seminario eleicoes Leia mais

28 de fevereiro de 2017

Maíra Moraes flipboard

O Seminário Eleições 2018 amplia o debate dos principais temas acerca do universo eleitoral: legislação, pesquisas, comunicação e marketing digital.