Além da mídia social

Cuidado com os especialistas em mídias sociais

Com o passar dos anos notei um aumento considerável no número de especialistas em “mídias sociais”. Escrevi mídia social errado, no plural, propositadamente para evidenciar onde o problema começa. O mais correto ainda seria escrever “mídia social digital”.

A falta de qualificação certificada por meio de bons cursos, maturidade do mercado ou de tempo de existência das novas profissões contribuíram para que “especialistas” aparecessem sem sequer terem conhecimento cultural sobre o assunto.

Agências de comunicação e empresas costumam adotar jovens interessados no tema internet como especialistas porque sabem abrir um perfil em uma rede social, interagir com outros jovens nos canais digitais ou simplesmente porque inventaram uma forma de burlar um processo ou utilizar uma plataforma de modo pouco usual.

Não é preciso ir muito longe para ver a quantidade de equívocos criados quando a responsabilidade pela comunicação de uma empresa, produto ou marca, em um meio muito promissor como a internet, fica sob a responsabilidade um profissional inexperiente no  meio digital.

O primeiro grande equívoco é tratar a mídia social digital como um fenômeno tecnológico em que os nerds imperam. É um dos maiores mitos que vi na web.

Claro que a maior parte dos produtores de conteúdo são aficcionados por tecnologia, fenômeno facilmente explicado quando se pensa na quantidade de informação que a pessoa precisa saber para ter um canal como um blog. Antigamente só aqueles que trabalhavam em áreas de T.I. (Tecnologia da Informação) conseguiam criar blogs, daí a quantidade surpreendente de blogs sobre tecnologia. A situação mudou muito e profissionais da comunicação passaram a orbitar nesse meio também.

Fique atento: ser especialista nessa mídia não é um concurso de quem tem mais amigos virtuais no Facebook ou seguidores no Twitter, quem consegue se despir na frente de uma webcam ou sobre quem tem o maior conhecimento de SEO (otimização para mecanismos de busca).

Para que um profissional seja um especialista em mídia social digital, primeiramente ele deve ter uma experiência e uma vivência que o possibilite entender melhor como as relações interpessoais funcionam, que é a base da mídia social. A pessoa deve, primeiramente, entender de gente, de comunicação em sua forma ampla, e não somente ter conhecimentos técnicos e ideia de que a vida dela se baseia toda em ambiente digital.

Em meu entender, especialistas de internet devem, necessariamente, passar um bom tempo desconectados, vivendo, assistindo bons filmes, lendo bons livros, conversando com amigos, discutindo com parentes e se, forem perspicazes, darão bons profissionais, daqueles que não prometerão resultados impossíveis ou venderão o sonho de que a web governa o mundo. Terão, antes de tudo, noção de que são uma pequena partícula dentro de um processo gigantesco.

Até mais.

Marcelo Vitorino

Marcelo Vitorino

Flipboard

Professor na ESPM e consultor de comunicação e marketing digital, Marcelo Vitorino reúne experiência no marketing corporativo, eleitoral, institucional e político

leia mais

Mais artigos do autor:

Twitter, Facebook, Google + e LinkedIn: cada rede social no seu quadrado Leia mais

21 de Maio de 2012

Marcelo Vitorino

Com o tempo cada vez mais escasso e um número maior de conexões interpessoais e rede social, escolhas devem ser feitas de acordo com o uso das ferramentas

egov Leia mais

16 de Fevereiro de 2017

Marcelo Vitorino

Com o uso crescente da internet e seu papel na comunicação, os cidadãos passaram a desejar maior interação com governos e instituições.

Artigos Relacionados:

Leia mais

22 de setembro de 2017

Natália Mateus

A segmentação de posts orgânicos no Facebook é uma ótima maneira de melhorar a relevância e o engajamento do seu conteúdo. Aprenda como e porque usá-la.

rede social Leia mais

15 de setembro de 2017

Maíra Moraes

Não, a resposta não tem nada a ver com quantidade de likes ou seguidores. Anúncios em mídia social mostram-se bem mais interessantes do que a tradicional.