Além da mídia social

Nós, os aborígenes das redes sociais virtuais

Ao ler “Os Argonautas do Pacífico Ocidental”, relato de Malinowski – considerado um dos fundadores da antropologia social – , sobre o comportamento das sociedades arcaicas nas ilhas australianas de Mailu e  Trobriand por volta dos anos 1915 e 1918, defendi a tese que os usuários do Facebook se comportam de maneira tribal similar à descrita no livro.

Minha tese foi construída com base nas teorias de Marcel Mauss, que via os sistemas de trocas identificados nas civilizações arcaicas estudadas Malinowski ainda presentes nas sociedades civilizadas* contemporâneas a ele, como a França dos anos 1920. Complementei minha visão com a discussão atualizada de Alain Caillé, nos anos atuais.

A ideia geral é a de que a construção de laços sociais – presenciais e virtuais – baseia-se em um sistema de troca, uma tríplice obrigação de dar, receber e retribuir. Esta tríade é o fio condutor da vida social e estes gestos que, achamos que são livres e espontâneos, são de fato, rigorosamente obrigatórios para que essas alianças sejam renovadas e mantidas no nosso cotidiano, incluindo nosso comportamento nas redes sociais virtuais. Isto é, mesmo sem perceber, seguimos e reagimos à regras estruturadas para manutenção de nossa vida social e existência dos nossos círculos de convivência: família, trabalho, igreja, academia e por aí vai.

 

Os aborígenes

Hau e kula são alguns sistemas de trocas (regras) descritos nos estudos de Malinowski presentes nas civilizações arcaicas das ilhas.

Destacando os principais pontos, no hau, sistema de troca dos Maori da Polinésia, há o entendimento que nada que nada pode permanecer muito tempo na posse de um indivíduo, tudo pode ser trocado e deve-se manter constância e fluidez. No kula busca-se conquistar e demonstrar prestígio e autoridade, adquirindo-se valor de acordo com as posições sociais e origens geográficas de seus portadores. A vida social é perneada pelas ações de dar e tomar, sendo que, por meio do kula novos vínculos e alianças são criados.

Assim como nas regras vividas pelos aborígenes, postar, compartilhar, curtir e comentar é o sistema de trocas das redes sociais virtuais que utilizamos, como o Facebook, que aqui tomo como por exemplo.

Mas o que trocamos? Quais os bens envolvidos nessas transações?

Palavras e imagens.

Certa vez, Godbout afirmou que “as trocas de palavras consistem em um dos dons rituais de pequenos presentes verbais anódinos e perfeitamente padronizados”. Sabe aquele “bom dia” no elevador? É ele.

Em uma pesquisa realizada com usuários do Facebook 82% das pessoas que identificam-se “muito” e “extremamente” com a afirmação “Eu me sinto satisfeito quando vejo que algumas pessoas que admiro curtiram uma postagem minha”. Na mesma pesquisa, 0%, nenhum usuário, nunca utilizou o comentário em postagem de amigo, isto é, todos compartilham e fazer circular alguma forma de simpatia na rede, um “oi”, um emoji que seja.

Prestígio e autoridade são os fatores que impulsionam uma troca no sistema kula. Da mesma forma, são sentimentos que impulsionam um “o que você está pensando” na rede em busca de curtidas, compartilhamentos ou comentários.

Ritual que envolve a maioria dos usuários da rede: 64,4% acreditam “que a quantidade de curtidas que tenho reflete o valor que minha opinião tem na rede”. Junto a isso, 59,6% afirma “muito” e “extremamente” que “sempre que alguém publica no meu mural eu me manifesto na postagem, mesmo que apenas com um curtir ou emojis”, seguindo a tríplice obrigação de dar, receber e retribuir.

Assim como em sistemas de trocas arcaicos, nas redes sociais virtuais, os bens – palavras, opiniões, imagens – que circulam não apresentam importância por si só: o que estabelece valor é o seu significado simbólico e seu potencial de criar, manter e recriar vínculos sociais.

 

Os algorítimos

Na pesquisa, não considerei os famigerados algorítimos do Facebook, cada vez mais são discutidos, que influenciam o conteúdo que cada usuário visualiza em sua timeline. Justifico esta escolha ainda sob a analaogia dos sistemas de troca arcaicos. Quando Malinowski buscou relatos dos indivíduos sobre a existência do sistema de troca, “eles apenas falam da sua própria experiência quando perguntados sobre o kula, mas não tem idéia sociológica da instituição”.

Assim somos nós, usuários das redes sociais. Não criamos a Matrix. Quando questionados somos levados a descrever nossa experiência, não a instituição por trás dela.

 

* Não uso os termos   “arcaico”, “moderno”, “desenvolvido”, “civilizado” e outros, com uma conotação evolucionista. Sirvo de uma diferenciação histórica/temporal.


Maíra Moraes

Maíra Moraes

Flipboard

Doutoranda em Comunicação e Sociedade na Universidade de Brasília (UnB), pesquisa as relações de poder implicadas no processo de produção de notícias e como as realidades são construídas por meio de narrativas e práticas dominantes. É gerente de projetos certificada PMP®, especializando-se na implementação de metodologias híbridas (presencial e a distância) de educação em redes públicas estaduais e municipais.

leia mais

Mais artigos do autor:

conteudo_internet Leia mais

07 de outubro de 2015

Maíra Moraes

Em um época que temos disponível fontes praticamente infinitas de informação gratuita na internet, vale mesmo a pena pagar para ter acesso a um conteúdo?

rede social Leia mais

15 de setembro de 2017

Maíra Moraes

Não, a resposta não tem nada a ver com quantidade de likes ou seguidores. Anúncios em mídia social mostram-se bem mais interessantes do que a tradicional.

Artigos Relacionados:

Leia mais

22 de setembro de 2017

Natália Mateus

A segmentação de posts orgânicos no Facebook é uma ótima maneira de melhorar a relevância e o engajamento do seu conteúdo. Aprenda como e porque usá-la.

rede social Leia mais

15 de setembro de 2017

Maíra Moraes

Não, a resposta não tem nada a ver com quantidade de likes ou seguidores. Anúncios em mídia social mostram-se bem mais interessantes do que a tradicional.